Caderno de Receitas

da Cynthia Semíramis

Tirinhas de alcatra

Receita do Nigella Express seguida praticamenta à risca. Fica gostoso, mas não é nada do outro mundo. O gosto do tomilho ficou exagerado, e o limão desapareceu. E o método para cozinhar o bife deixou minha panela num estado lastimável.

Tirinhas de alcatra

600g de alcatra
1 colher (sopa) de tomilho
2 dentes de alho amassados
80ml de azeite de oliva extravirgem
casca e suco de meio limão
1/2 colher (chá) de sal comum (usei mais)

Em uma travessa grande, misture o tomilho, o azeite, o alho, o sal, a casca e o suco de limão.
Esquente uma panela de fundo pesado ou grelha.
Tire a gordura da carne, e a pincele com óleo.
Cozinhe os bifes por cerca de 3 a 4 minutos de cada lado.
Transfira os bifes para a travessa com temperos, deixando cerca de 4 minutos de cada lado. (deixei bem mais que isso).
Corte os bifes na diagonal, em fatias finas, formando tirinhas.
Pode ser servido morno ou frio. Nigella recomenda servir as tirinhas com brócolis cozidos e passados no tempero da carne.

Deixe um comentário »

Nutella Cake

Primeira decepção com o livro da Nigella. A torta alla gianduia, ou nutella cake, é a coisa mais sem graça do mundo. 400g de nutella desperdiçados. Pra piorar, dedos doloridos por tirar a pele de avelãs. Não foi divertido de fazer, e o resultado foi frustrante 😦

Deixe um comentário »

É bom mesmo quando dá errado

Ontem aproveitei que tinha de fazer o bolo pra semana, e resolvi fazer aqueles maravilhosos biscoitos de parmesão, pimenta e ervas. Juntei na massa um restinho de gorgonzola. Apostei que tudo com queijo fica bom, que com gorgonzola não tem erro, e todos esses mitos da cozinha com queijos. Ha. Ha. Ha. O gorgonzola apagou o gosto do biscoito, a gente só percebia a pimenta e uma massa sem sabor definido no fundo. Mas, mesmo assim, ficou bom.

1 Comentário »

Fiasco

Sexta-feira passada praticamente tudo deu errado. Como aqui é a seção de culinária, vou contar o fiasco na cozinha. Lá estava eu fazendo uma broa de fubá, só faltava adicionar as claras em neve, quando tocou o interfone. Chamei o marido, e naquele jogo de empurra, eu desci pra pegar a encomenda e ele ficou na cozinha para impedir que os gatos atacassem a comida na minha ausência (nunca fizeram isso, mas precaução não faz mal a ninguém…) Quando voltei, encontrei o marido misturando, ou melhor, batendo as claras em neve na massa, usando a espátula para fazer círculos rapidíssimos e violentos na tigela! Fiquei em choque, gritei, desesperei, acho que até chorei de tristeza. Avisei que a broa ia dar errado, ele não acreditou (só por causa de umas claras em neve?), mas depois não conseguiu comer a pedra que saiu do forno.

Deixe um comentário »

Negresco caseiro

Negresco caseiro

Negresco caseiro


Adoro fazer biscoitos. Tenho toda a paciência do mundo para cortar, moldar e confeitar pedacinhos minúsculos de massa que virarão, no mínimo, surpresas deliciosas para outras pessoas. Eu mesma não gosto de comer os biscoitos, talvez por devorar massa crua demais e ficar satisfeita antes da hora…

Meu marido é o contrário: ele adora biscoitos, especialmente industrializados. O xodó dele é o negresco, mas no supermercado aqui perto só tem a versão genérica horrorosa, e nem sempre a gente tem ânimo pra ir no outro bairro comprar o legítimo. Oreos, então, nem sei do que se trata, pois é raridade por aqui e custa uma fortuna.

Quando ele falou que estava com vontade de comer negresco, e eu contei que tenho a receita caseira, seus olhos brilharam. E foi assim que, no aniversário do nosso casamento, nós percebemos mais uma compatibilidade: eu faço os biscoitos, ele come os biscoitos. Perfeito!

Claro que a sessão culinária teve um imprevisto. Marido é impaciente e ansioso e, quando me viu fazendo biscoitos miudinhos, de acordo com a receita, insistiu pra eu fazer biscoitos maiores, que os pequenininhos não davam nem pro começo. Avisei que não daria certo, ele insistiu. Tentei usar o molde um pouquinho maior, ele reclamou de novo. Perdi a paciência e lá fui eu trocar a moldagem feita com uma colher de chá para uma colher de sopa. Ficaram gigantescos, hahaha. A vantagem é que a massa acabou mais rápido, mas em compensação, cada super-biscoito equivale, em saciedade, a meio pacote de negresco!

A receita eu vi no Technicolor Kitchen, e fiz algumas adaptações bem pequeninas. A massa crua é deliciosa (até o marido comeu!), e desconfio que comemos muito dela, pois sobrou um bocado de recheio.

Negresco caseiro

175g de farinha de trigo
45g de cacau em pó sem adição de açúcar
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
¼ colher (chá) de fermento em pó
¼ colher (chá) de sal
300g de açúcar
140g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
1 ovo grande

Preaquecer o forno a 180 graus.
Forrar a assadeira com papel manteiga.
Misturar no processador, pulsando sempre: farinha, açúcar, cacau, bicarbonato, fermento e sal.
Continuar pulsando enquanto incorpora a manteiga, aos poucos.
Por fim, incorporar o ovo e bater um pouco para homogeneizar.
Fazer bolinhas com uma colher de chá (leia as dicas abaixo!), e colocar na assadeira com espaço de 5cm entre uma e outra.
Achatar levemente as bolinhas com as costas de uma colher ou os dedos.
Levar ao forno por exatos 9 minutos.
Retirar imediatamente para uma grade.
Colocar o recheio apenas quando os biscoitos estiverem frios.

Recheio de baunilha
60g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
200g de açúcar de confeiteiro peneirado
2 colheres (chá) de baunilha

Bater a manteiga na batedeira, em velocidade baixa.
Acrescentar a baunilha e o açúcar aos poucos, batendo sempre em velocidade baixa.
Quando incorporar, aumentar a velocidade da batedeira para alta e bater até ficar fofo e cremoso.
Colocar porções generosas de recheio nos biscoitos, usando uma espátula ou o bico de confeitar.

Truques e dicas

  • Use uma colher de chá, ou no máximo, de sobremesa (é a que eu uso), pra fazer os biscoitos. Mais que isso, vai virar um negresco de Itu, fazendo companhia pros alfajores, pois a massa se espalha na assadeira. Usando uma colher de sobremesa como medida, rende cerca de 40 biscoitos
  • Se você não tem grade para biscoitos, nem perca seu tempo. A grade é fundamental para que eles esfriem por igual e fiquem crocantes. Eu não tenho a grade clássica, uso uma adaptada: era um suporte para esquentar 2 pratos no microondas ao mesmo tempo, a minha única providência foi tirar os pezinhos. O defeito é que é muito pequena, mas é melhor que nada… agora já tenho duas grades maravilhosas. Mas esta receita rende muito, e no meu caso faltou grade pra uns 16 biscoitos.
  • a receita original pede gordura vegetal hidrogenada no recheio. Substituí por manteiga, na cara dura, e deu certo. O truque foi aumentar a quantidade de açúcar para o recheio ficar mais sólido. A baunilha é fundamental para a textura final
  • não tinha o açúcar de confeiteiro no supermercado, por isso usei açúcar refinado peneirado, mas a textura ficou granulosa demais. Tem de ser com açúcar de confeiteiro, mesmo.
  • assei os biscoitos por 10 minutos, mas eles ficaram levemente queimados. O tempo correto são 9 minutos. Eu marco o tempo com o timer do microondas, é perfeito.
7 comentários »

Sorvete de brigadeiro

sorvete que deu errado

A foto ficou até bonitinha, apesar da tigela estar apoiada no Mestre-cuca Larousse, mas não faz jus à bagunça que foi fazer esse sorvete. Estava desesperada por um sorvete de brigadeiro, e adaptei a receita do de leite condensado pra satisfazer minha vontade. Perfumei com um pouquinho de Bailey’s. Na hora de colocar na sorveteira, a massa estava consistente demais e a sorveteira não funcionava. Perdi o bom humor e, na urgência, fui adicionando Bailey’s até a sorveteira funcionar. O resultado foi interessante: a textura ficou maravilhosa, só que virou sorvete de Bailey’s com fundo de chocolate. Cadê o meu brigadeiro? A cada colherada eu podia dizer, como o aviador no joguinho :”Hic! Acho que estou meio alto!” Pfff….

Deixe um comentário »